Categorias
Devocional

Algumas mulheres da Bíblia: Débora e Jael

(por Vilma Prates)

Débora julgava Israel, ou seja, proferia decisões judiciais e atendia debaixo da palmeira de Débora (Juízes, 4:4 e ss). Comandou uma tropa de dez mil homens numa investida contra o poderoso exército de Jabim, rei de Canaã, liderado por Sísera, que acabou sendo morto por Jael, outra mulher.

A estratégia adotada por Jael para exterminar Sísera foi bem feminina: quando o bravo comandante fugiu da batalha, ela lhe ofereceu abrigo em sua tenda, deu-lhe um leitinho quentinho e cobriu-o. O que aconteceu? Obviamente, o corajoso capitão, exausto da batalha, ou da fuga, se sentiu seguro e relaxou, como se estivesse no colinho da mamãe. Não deu outra: pegou no sono. Ela não perdeu tempo: cravou-lhe uma estaca na testa.

Obviamente que estas mulheres foram usadas e inspiradas por Deus para alcançar o objetivo divino de construir a história do povo de Israel. Ambas receberam o respeito da nação israelense.

Débora nem tinha um tribunal decente para trabalhar. Julgava debaixo da palmeira, acumulava funções no Poder Judiciário e ainda comandou o exército de Israel, função que cabia a Baraque.

Jael, ao que parece, era dona de casa, tinha uma tenda aconchegante, um bom odre abastecido com leite, cobertas macias, e sabia exatamente onde estavam o martelo e a estaca.

Ambas se dispuseram a executar os planos de Deus. Foram usadas por Ele para derrotar uma nação inimiga de Israel. Cada uma do seu jeito, sem almejar coisas grandes demais, apenas estando acessíveis ao mandado divino.

Estejamos nós também disponíveis ao comando de Deus. “Porque Deus não nos tem dado espírito de covardia, mas de poder, de amor e de moderação.” II Tim. 1: 7.