Categorias
Devocional

Ousado amor

(por Juliana Neves de Lima)

“Oh, impressionante, infinito e ousado amor de Deus.
Oh, que deixa as noventa e nove só pra me encontrar.
Não posso comprá-lo, nem merecê-lo,
mesmo assim se entregou.
Oh, impressionante, infinito e ousado amor de Deus.”

O que vivemos na semana passada com o Eric, ex-morador de rua, na casa de recuperação, foi indescritível! Uma experiência maravilhosa sobre a ação e o mover de Deus! Na oportunidade, nossa irmã Cristina mencionou sobre a história da ovelha perdida, fazendo a analogia de que Deus está salvando especialmente a cada um ali que tenta se recuperar, de uma forma particular.

O trecho acima, da música ”Ousado Amor”, des-creve que esse ato de Deus pela busca dos perdi-dos demonstra a ousadia de Deus em Seu amor por nós, por amar incondicionalmente, mesmo sem a gente merecer.

Como gratidão a Deus, devemos buscar mais inti-midade com Ele, para que os outros o possam ver através das nossas vidas e da nossa comunhão (que deve crescer e ser aprimorada).

Num país com tanta liberdade em que vivemos, temos o dever de mostrar esse amor de Cristo às pessoas! O amor de Deus é tão maravilhoso, que não podemos guardar, de forma egoísta, para nós mesmos! Precisamos ter sede de almas, a fim de que a experiência desse amor indescritível que já tivemos o prazer de experimentar não se limite em nós mesmos, mas antes, todas as pessoas tenham a oportunidade de ouvir e provar desse amor!
No Congresso Nacional de Adultos, promovido pela IPI Nacional, com o tema “A colheita”, o Rev. Valdir Reis mencionou que “a igreja precisa voltar a crer que o evangelho transforma vidas”.

Minha oração é que o Espírito de Deus nos toque para que possamos nos permitir sermos usados por Ele, a fim de que tenhamos a mesma ousadia no amor ao próximo, como Deus teve para conosco.

Desejo que todos possam viver o que alguns privilegiados irmãos puderam viver semana passada. Que esse seja o NOSSO desejo, como IPI do Moinho Velho. Que tenhamos ousadia e disposição para o serviço e colaboração no crescimento do Reino de Deus. Assim, todas as pessoas poderão sentir esse ousado amor que um dia descobrimos, sentimos, e sentiremos por toda a eternidade! Que comece em nós, o fazer a diferença.

“Por esta razão, pois, te admoesto que reavives o dom de Deus que há em ti (…). Porque Deus não nos tem dado espírito de covardia, mas de poder, de amor e de moderação.” 
2 Timóteo 1:6 e 7